04 xuño 2008

A solução à crise do petróleo


Há alguns anos o Congresso norte-americano encomendou a uma comissão científica que desenvolvera uma simbologia que servira de advertência sobre o risco dos depósitos de resíduos nucleares. Tal simbologia deveria ser inteligível por quem quer que a visse dentro de 10.000 anos e transmitir "inequivocamente a advertência de perigo".

A comissão estava formada por físicos, antropólogos, neurólogos, psicólogos, biólogos, arqueólogos, artistas, etc.

O problema clave era estabelecer um diálogo com um futuro que fica a 10.000 anos para advertir de um perigo que se creia hoje. Os cientistas buscaram modelos nos símbolos mais antigos da humanidade (Stonehenge, as pirâmides, as pinturas rupestres....). Mas como muito conseguiam uma antiguidade de 4000 anos.

Os antropólogos recomendaram usar o símbolo da calavera, mas um historiador advertiu de que para os alquimistas uma calavera significava ressurreição .

Os linguistas concluiram que qualquer símbolo que se usasse não lograria transmitir "inequivocamente a advertência de perigo" mais alá de 2000 anos.

O que ficou claro no informe da comissão é que não somos capazes de informar ás gerações futuras dos perigos que geramos na nossa época. Embora este informe, os USA e os países mais desenvolvidos, continuamos a almacenar resíduos radioactivos.

E não só isso, senão que ademais querem convencer-nos de que a solução para evitar os problemas da contaminação de agora é contaminar para os próximos 10.000 anos. E o que venha atrás que arree.

2 comentarios:

Amalia dixo...

A ver si el hidrógeno nos saca de esta...
Besos

Verme Guilherme dixo...

Nom é o petróleo quem nos meteu em esta, nem será o hidrogénio quem nos saque. A culpa é de outros, como bem sabes.
Abrazazo